Home  |   Eventos  |   Notícias  |   Novidades  |   Receitas  |   Tempo  |   Custo de Produção  

  Meio Ambiente  |   Utilinks  |   Planejamento  |   Prêmios  |   Contate-nos  
Laranja
CITROS

Home
Laranja
Custos de Produção
Pragas dos citrus
Cancro cítrico
CVC
Leprose
Ferrugem
Minadora
Furão
Ortézia
Rubelose
Notícias

Greening

Vídeos

Vetor

Sintoma

Controle

Larva Minadora dos Citrus

Larva Minadora dos Citrus

 

A Larva Minadora dos Citros, Phyllocnistis citrella, foi detectada no Brasil no início de 1996 e se espalhou, em poucos meses, por todas as regiões do país.
Ataca brotações novas de todas as variedades cítricas. Os ovos são depositados nas folhas novas, de onde emerge a larva, que se alimenta da folha formando galerias. Normalmente ataca folhas, no entanto, em alta população, pode ser observada nos ramos das vegetações novas e em frutos. No final da sua fase de larva, a Minadora migra para a borda das folhas onde constrói um casulo que a abrigará durante a fase de pupa, até se tornar adulta.
A sua presença nos pomares favorece a contaminação pela bactéria do Cancro Cítrico.

 

Seus ovos são claros, parecendo uma gota d'água, e são postos em folhas novas, de preferência na face ventral.

No 1o estágio, a larva é transparente, tem a cabeça maior que o corpo e ainda está caminhando junto à nervura
No 2o estágio, a larva fica amarela e já começa a formar a serpentina
Detalhe da larva e das galerias que constrói nas folhas. A cabeça passa a ter o mesmo tamanho do corpo
Depois de terminar seu caminho, a Larva Minadora faz uma dobra no canto da folha, onde fica protegida
Na dobra ela forma a pupa (crisálida), fase em que os inseticidas não conseguem atingir a praga.
O Minador adulto tem como principal característica uma pinta escura na terminação de cada asa

 

Sintomas

As larvas provocam a formação de galerias nos tecidos das folhas.
Essas galerias aparecem inicialmente como um pequeno risco de coloração branca e posteriormente vão formando um zigue-zague mais largo. Elas atacam as duas faces da folha e pode-se observar a presença de mais de uma larva em cada folha.

 

Controle

 

Devido à sua preferência por vegetações novas, o controle deve ser feito no início da primavera, quando é observado o estágio inicial das brotações, período de desenvolvimento da larva. O controle da praga é importante pois diminui as chances do pomar ser contaminado pelo Cancro Cítrico e evita que as plantas fiquem debilitadas pela ação da própria Minadora.

No entanto, antes de se iniciar o controle é preciso conhecer a incidência da praga nos talhões:

  • Divida a propriedade em talhões de aproximadamente 2 mil plantas.

  • Em cada talhão escolha aleatoriamente 1% delas (20 árvores) para fazer o levantamento das plantas em formação ou em produção que estejam na fase de vegetação.

  • Examine em cada planta alguns ponteiros de ramos recém brotados e anote se há ou não a presença da praga. A presença é positiva quando há na folha pelo menos uma larva que esteja no primeiro ou segundo estágio.
    - 1o estágio: larva cuja cabeça é maior que o corpo (ver imagem acima).
    - 2o estágio: larva que se encontra em galerias ainda pouco desenvolvidas, ainda estão distantes da lateral da folha(ver imagem acima)

O controle deve ser adotado em pomares novos quando o talhão apresentar 10% de ramos com larvas vivas no primeiro e segundo estágio e no caso de pomares adultos, quando 30% de ramos apresentarem larvas no primeiro e segundo estágio. No entanto, se a propriedade estiver em uma área crítica com relação ao Cancro Cítrico ou se o pomar teve registro de contaminação pela doença, o controle deve ser feito mesmo que haja apenas uma única larva no talhão.

 

Controle Químico

Depois de conhecida a incidência nos talhões, o controle químico é feito por meio de pulverizações e devem ser aplicados produtos seletivos aos inimigos naturais da Larva Minadora.
Antes da aplicação dos defensivos, solicite a orientaçao de um agrônomo para conhecer as doses corretas, a garantia de registro, seletividade aos inimigos naturais e uso de equipamentos de proteção.

 

Produtos Recomendados

PRINCÍPIO ATIVO GRUPO QUÍMICO
Abamectin Avermectina
Lufenuron Benzoylureia
Imidacloprid Chloronicotinyl
Pyridaphenthion Organofosforado
Diflubenzuron Benzoylureia
Tebufenozoide Diacylhydrazida
Acephate Organofosforado
Chlorpyriphos Organofosforado
Deltamethrin Piretróide
Óleos Minerais -

(testes realizados pela Gravena Manejo Ecológico)

 

 

 

 

 

 

  Home  |   Eventos  |   Notícias  |   Novidades  |   Receitas  |   Tempo  |   Custo de Produção  

  Meio Ambiente  |   Utilinks  |   Planejamento  |   Prêmios  |   Contate-nos  


Web Master respons?el - Pud@san
pudasan@agrobyte.com.br