Home  |   Eventos  |   Notícias  |   Novidades  |   Receitas  |   Tempo  |   Custo de Produção  

  Meio Ambiente  |   Utilinks  |   Planejamento  |   Prêmios  |   Contate-nos  
Meio Ambiente
MEIO AMBIENTE
  Home
  Água
  Direitos Da Água
  Faça o Teste
  Economiza Água
  NOTICIAS
  Destinação de Embalagens
Meio ambiente

Economiza Água

 

      

Água - é preciso preservar para não faltar

 

Quando se trata de problemas de água, nunca se imaginou a possibilidade de ter que enfrentá-lo tão cedo e da forma como esta se apresentando. Normalmente, quando se pensa em falta de água, imagina-se prioritariamente sua escassez para o consumo, o que realmente, para as condições do centro-sul do Brasil e principalmente do interior de São Paulo, fica difícil de imaginar. Afinal é só abrirmos a torneira que ali esta a água relativamente limpa, abundante e teoricamente própria para consumo. Se a torneira secar, visualiza-se a existência de uma infinidade de rios, poços, lagos,lagoas, cuja água, se a fervêssemos, ainda poderíamos consumir em caso de extrema necessidade. Isso nos dá uma falsa idéia de abundância e uma dificuldade de imaginar que realmente a água possa faltar.

Mas a realidade não é esta, se lembrarmos que a água doce disponível representa menos de 1% do total da água do planeta; que cerca de 1/3 da população mundial já sofre pela escassez deste recurso natural e que os níveis de poluição da maioria de nossos rios, lagos e lagoas não permitem o consumo de suas águas.

Por outro lado, desconsiderando estimativas e suposições, que muitos podem julgar pessimistas e falso-alarmistas, estamos muito próximos de uma dura realidade, que é a possibilidade de racionamento de energia elétrica, que no Brasil provém, quase que em sua totalidade, da água. Estamos sentindo, muito proximamente, a possibilidade de apagões, pagamento de multas caso não haja redução de consumo, ou ainda, menos drástica, a concessão de descontos para quem economizar energia. Nota-se grande preocupação do setor produtivo, ameaça de grandes indústrias deixarem o país, criação de empregos ameaçada, queda acentuada nos indicadores econômicos e uma infinidade de situações caóticas que podem advir da falta de energia elétrica.

Os menos preocupados ou mais otimistas podem pensar que nada realmente negativo irá ocorrer, e os mais omissos que nada poderiam ter feito efetivamente para atenuar ou mesmo evitar os possíveis problemas de falta de água e conseqüentemente de energia. Porém, felizmente, a grande maioria da população nestes momentos de dificuldades parte para uma reflexão sobre o que poderia ter feito ou pode ainda fazer para que os problemas não se agravem ainda mais.

 

O que fazer

 

Há uma série de medidas a serem tomadas em todos os seguimentos da sociedade, a curto, médio e longo prazos, para que se preserve a água tanto em termos quantitativos quanto qualitativos.

À população em geral, neste momento de alerta, cabe a função de poupar água e energia elétrica, disponibilizando para isso todos recursos existentes. Ao setor público, cabe aumentar a fiscalização para que nossas leis ambientais, que estão entre as melhores do mundo, sejam cumpridas. Mas não basta aplicar apenas a parte punitiva. É igualmente obrigação dos três níveis de governo aplicar a parte educativa, para que toda a população tome conhecimento da importância da preservação do meio ambiente. Cabe também ao poder publico, principalmente aos executivos municipais, cumprir as exigências que lhes são impostas pela legislação no que diz respeito ao tratamento de esgoto doméstico, um dos principais responsáveis pela poluição de nossos cursos d'água. Mas a grande responsabilidade e o maior interesse recai sobre os produtores e empresários rurais, pois sem água de qualidade não há lavoura nem criação. Sem água não há energia elétrica e sem energia não se irriga a plantação. Mas irrigar com o que, se não há água?

Nós, que atuamos diretamente nas áreas rurais temos a obrigação e a responsabilidade de preservar nossas fontes de água em qualidade e em quantidade. Quantas nascentes que conhecíamos e hoje já secaram? Quantos rios, antes fundos e largos, que após continuo processo de assoreamento hoje se resumem a pequenos filetes de água? Tudo isso, associado aos baixos índices pluviométricos registrados nos últimos anos e agravado na última estação chuvosa, conduziu a esta situação de iminente racionamento de energia.

Ações no campo

 

Existem várias formas práticas e efetivas de atuação para executarmos a preservação e a recuperação de nossas fontes de água, das quais podemos destacar as descritas a seguir:

Plantio direto - com a utilização da técnica do plantio direto na palha reduz-se consideravelmente a quantidade de solo arrastada pelas chuvas e que inevitavelmente irá se depositar nos rios e lagos, causando seu assoreamento e prejudicando a qualidade da água    pela dispersão de partículas sólidas na mesma. Para citar um exemplo prático: a vida útil da usina de Itaipu estava estimada em 25 a 30 anos, sem a utilização de sistemas conservacionistas. Com a implantação do plantio direto em aproximadamente 60% da bacia hidrográfica que forma o lago de Itaipu, a expectativa de vida útil das barragens e turbinas da usina passou para 65 a 70 anos, devido principalmente à melhoria da qualidade da água pela redução acentuada de partículas sólidas dispersas na água do lago, o que reduziu o desgaste das turbinas e a corrosão das paredes das barragens. O desafio da usina é a implantação do plantio direto em 100% da área de sua bacia hidrográfica.

Proteção e recomposição das áreas de preservação permanentes (APP) - entre as APPs que por lei devem ser preservadas, estão as margens de rios, lagos, lagoas e represas, conhecidas como matas ciliares, que, conforme a largura do rio ou a área das lagoas ou represas, devem ter uma determinada largura. Devemos preservar também as nascentes e olhos d'água, mesmo que intermitentes, ou seja, que sequem por algum período do ano, deixando um raio de 50 metros de mata em volta dos mesmos. Deve-se ressaltar ainda que as usinas hidrelétricas cabe também a responsabilidade da recomposição das matas ciliares ao redor dos lagos formados pelos seus reservatórios. Neste caso a largura da mata ciliar deve ser de 100 metros.

Utilização de técnicas de conservação de solo - sendo o solo o maior patrimônio da empresa rural, é inadmissível que se pense na realização de um cultivo, que é a execução do negócio agropecuário, qualquer que seja, sem a utilização de técnicas básicas que promovam a conservação do solo como: plantio em nível, terraceamento, cultivo mínimo, etc, que também reduzem as perdas de solo, com a conseqüente preservação da qualidade e da quantidade dos cursos d'água e das reservas hídricas existentes. Outro cuidado que devemos ter é quanto à correta destinação dos resíduos de agroquimicos e de suas embalagens (que hoje possui lei exclusiva que trata do assunto), para que estes não venham a contaminar os cursos de água ou, ainda mais gravemente, o lençol freático.

Ao longo do desenvolvimento do planeta, para que a vida chegasse ao que conhecemos hoje, passaram-se bilhões de anos e a evolução nunca concedeu uma segunda chance a nenhuma espécie, que inconscientemente desaparecia. Momentos delicados como o que estamos presenciando, quando sentimos ameaçado no mínimo o nosso conforto, são propícios para reavaliarmos nossa relação com o meio ambiente e a natureza. Não seria o momento de preservar o que ainda resta e, na medida do possível, recuperar o que foi degradado, para que não cheguemos ao ponto de perceber que também a espécie humana não terá uma segunda chance no processo evolutivo deste planeta?

Seriamos simplesmente mais uma espécie a desaparecer, com diferença agravante de sermos a primeira espécie a perecer conscientemente.

 

Matéria elaborada por Evandro Nei Oliver - Eng. Agrº e de segurança no trabalho, pós graduando no curso de Tecnologia e Gestão Ambiental

  Home  |   Eventos  |   Notícias  |   Novidades  |   Receitas  |   Tempo  |   Custo de Produção  

  Meio Ambiente  |   Utilinks  |   Planejamento  |   Prêmios  |   Contate-nos  


Web Master respons?el - Pud@san
pudasan@agrobyte.com.br