Home  |   Eventos  |   Notícias  |   Novidades  |   Receitas  |   Tempo  |   Custo de Produção  

  Meio Ambiente  |   Utilinks  |   Planejamento  |   Prêmios  |   Contate-nos  
Pecuária

Cuidado com o couro para não perder o valor

Cuidados com o couro para não perder o valor comercial

 

A perda para o pecuarista brasileiro devido à má qualidade do couro representa nos dias de hoje um prejuízo de US$ 750 a US$ 900 milhões/ano, levando-se em consideração que um couro, no Brasil, vale US$ 25 / 30 e nos EUA, US$ 50 / 60.

Os principais defeitos e problemas que afetam a qualidade do couro são de dois tipos, conforme se revela a seguir:

Naturais

- Carrapatos

- Bernes

- Riscos de espinhos

- Cicatrizes de sarna

 

Agressões do homem

- Marcas a fogo

- Riscos e cicatrizes provocadas por currais, cercas e carrocerias inadequadas.

 

Exemplo para um boi de 16@

Corte traseiro Representa um valor de 57% das arrobas do boi
Corte dianteiro Representa um valor de 27% das arrobas do boi
Ponta de agulha Representa um valor de 9% das arrobas do boi
Sub-produtos Representa um valor de 5% das arrobas do boi
Couro verde Representa um valor de 7% das arrobas do boi

 

Importância do couro para o frigorífico

 

Considerando que o faturamento com couro cru é cinco vezes o lucro ideal, podemos concluir que o frigorífico não consegue sobreviver sem considerar a receita do couro na composição de preço a ser pago pela arroba do boi.

Segundo os frigoríficos e, embora os pecuaristas imaginem que não são remunerados pelo couro, no momento de definir o preço final a ser pago pela arroba do boi, além do couro verde, há uma somatória de itens que compõem o aproveitamento bovino:

 

Exemplo de um frigorífico que abate 600 bois/dia

Investimento imobilizado Us$ 3.000.000,00
Faturamento anual US$ 67.500.000,00
Retorno anual objetivado (20% sobre o investimento) US$ 600.000,00
Faturamento anual com couro cru US$ 3.150.000,00

 

Medidas para evitar danos causados ao couro

- Evitar o uso de ferrões ou usá-los adequadamente.

- Aplicar marca de fogo em locais apropriados.

- Combater os ectoparasitas.

- Manter as pastagens limpas.

- Fazer uma manutenção periódica nos currais e cercas.

- Melhorar o transporte dos animais e a carroceria dos caminhões.

 

Veja abaixo exemplos de marcação a fogo, o certo e o errado

 

Errado Certo

Áreas de identificação de acordo com a Leinº 4714/65

e conforme norma da ABNT-NBR 10453

 

Matéria elaborada pelo médico veterinário André Maldonado Barcelos, baseado em manual elaborado pela Braspelco.

  Home  |   Eventos  |   Notícias  |   Novidades  |   Receitas  |   Tempo  |   Custo de Produção  

  Meio Ambiente  |   Utilinks  |   Planejamento  |   Prêmios  |   Contate-nos  


Web Master respons?el - Pud@san
pudasan@agrobyte.com.br